Chineses trocam preferência nos EUA por Portugal - Golden Visa


No seguimento do artigo publicado pela TOTE SER no mês passado, o jornal "South China Morning Post" reportou o panorama atual do investimento chinês no estrangeiro. A respeitada SCMP revela agora que os investidores chineses estão a apressar-se para adquirir propriedades em Lisboa, com vista a aproveitar os dois últimos meses do Golden Visa para as duas grandes cidades. Esta vaga de investimento chinês tornou-se histórica, uma vez que ultrapassou o investimento nos destinos preferidos como a Singapura, os EUA, o Reino Unido e a Austrália.

É de enaltecer que apesar de todo o contexto socioeconómico proveniente da pandemia, o investimento chinês não foi comprometido. Alavancados com a recente "explosão" do mercado da bolsa na China, o próximo passo para a grande maioria dos investidores baseia-se na aposta do setor imobiliário em locais estratégicos.

"Muitos dos compradores (da China continental) que estão ativos este ano já estão nos seus mercados de destino e estão a comprar a uma taxa mais rápida porque pretendem permanecer lá", disse Georg Chmiel, presidente executivo do portal imobiliário Juwai IQI.

Reunião entre dois homens asiáticos

Não obstante, esta vaga de investimento é ainda alimentada pela tensão política entre a China e alguns dos seus parceiros de mercado como a América e a Austrália. O que isto faz é que mercados com grande potencial de crescimento cuja conjuntura social, política e económica proporcionem uma segurança acrescida – como Portugal – sejam vistos com especial atenção numa ótica de investimento. Isto porque pela nossa experiência, o investimento chinês tem como principal objetivo o golden visa, e não a residência, coisa que pode ser altamente vantajosa para a dinamização do país.

Desta Forma, Portugal, cada vez mais aclamado como o país mais promissor da Europa, foi o principal destino dos investidores chineses, uma vez que as consultas aumentaram 176% nos primeiros nove meses deste ano, de acordo com a Juwai IQI. Lisboa e Porto tornaram-se mais populares após o governo ponderar a eliminação de ambas as cidades do programa de Golden Visa a partir do próximo ano.



Principais Nacionalidades do Programa Golden Visa em Portugal
(dados até Julho 2019)

Fonte: Ministério dos Negócios Estrangeiros Português



O que é que isto mostra sobre o mercado imobiliário Português?

Não é fácil ultrapassar o mercado americano como destino principal de investimento. Lembre-se que os investidores chineses foram responsáveis por $21,7 mil milhões de dólares, ou 5% da atividade global de investimento imobiliário desde janeiro a setembro deste ano, de acordo com a Real Capital Analytics (RCA) que acompanha negócios em valor superior a $10 milhões de dólares. O poderio megalómano do investimento chinês é, ao fim de contas, uma representação do mercado internacional de importância acrescida. Portugal, rapidamente perdendo o estatuto de “tesouro escondido” devido à sua crescente projeção a nível mundial, sobe agora à primeira posição.

A nossa opinião mantém-se. Acreditamos que esta vaga é positiva para Portugal, mas que os seus verdadeiros impactos vão bem mais além do que um puro visto de residência. O Golden Visa, apesar de trazer ainda muitas mais-valias, já não tem o peso que outrora teve no mercado imobiliário. A razão é porque nessa altura Portugal não estava tão divulgado ou até mesmo tão dinamizado ou conhecido como está hoje. Hoje em dia Lisboa e o Porto são dois polos altamente dinamizados cujas infraestruturas estão ao mesmo nível, ou até acima, de muitas das grandes cidades europeias – com uma grande margem de crescimento comparativamente às outras capitais europeias que são muito mais caras. Isto, conjugando a beleza natural do território juntamente com a cultura amistosa tão característica do nosso país, fá-lo ser hoje uma prime location não só para investimento, como para residir.

Vista de Lisboa

O chamado "marketing boca-a-boca" proliferado pelo turismo por todo o mundo aumenta ainda mais a notoriedade do país. Isto é infinitamente positivo para a economia portuguesa. Ora, o único fator que nos trava em relação a toda esta situação é a baixa oferta de Portugal face à elevada procura característica, o que leva à consequente valorização do imobiliário. Não existem propriedades suficientes no mercado para equilibrar um cenário imobiliário saudável, acessível e de alta qualidade, mantendo um preço competitivo por metro quadrado.

Pela experiência da TOTE SER, estando em contacto com os principais fundos de investimento europeus e americanos, depara-se com o mesmo feedback: "Nós estamos cientes do potencial de Portugal, e temos sérios planos para iniciar a nossa operação aí. Estamos apenas à espera da oportunidade certa de investimento. É um mercado cuja volatilidade é pouca, e acreditamos que é um destino com características inigualáveis – como o caso das yields praticadas nas mais variadas classes de ativos, valores estes que não se ouve falar, por exemplo, na Alemanha."