Podcast

Início   \   Podcast

Perspetivas Imobiliárias por
TOTE SER

A TOTE SER decidiu criar esta série para que nos possa conhecer um pouco melhor. Aqui, abordaremos todos os assuntos relacionados com o mercado imobiliário - desde investimento, arquitetura, tendências e a nossa opinião sobre as mais recentes notícias.

Teremos também várias personalidades do setor imobiliário juntando-se a nós, proporcionando conteúdo altamente dinâmico que irá com certeza enriquecer a sua expertise no mercado.

Aqui pode ouvir através do player do Spotify:

Ou ver através do player do YouTube (legendado em inglês):


Ou ainda e se preferir, ler a transcrição do podcast:

Episode 01: TOTE SER

Miguel Real: Olá viva, o meu nome é Miguel Real, sou Chief Marketing Officer na TOTE SER e este é o nosso primeiro podcast... em que visa dar a entender um bocadinho mais sobre o que é que nós fazemos o que é que é TOTE SER e hoje tenho o prazer de estar comigo o CEO e o arquiteto Helder Pereira Coelho no qual nos vai poder explicar um bocadinho mais quais é que são as nossas áreas de operação, exatamente o que é que nós fazemos. É um prazer arquiteto como está? Tudo bem?

Helder Pereira Coelho: Obrigado! Obrigado eu, também é um prazer estar aqui...

Miguel Real: É um prazer, é um prazer - Helder Pereira Coelho: ...aqui a conversar – Arquiteto são cerca de 30 anos de operação no mercado português especialmente aqui na área de Lisboa. O que é que nos pode dizer sobre isso e mais precisamente, quem é que é a TOTE SER?

Helder Pereira Coelho: Ora bem, a TOTE SER essencialmente é uma empresa de arquitetura e... pronto aqui eu penso que há aqui dois tipos de atelier de arquitetura e... e eu posso fazer uma breve definição é que é ao... portanto, o gabinete de arquitetura que nos salta logo à atenção e aquilo que nós associamos que é o chamado, os arquitetos de assinatura, portanto são realmente gabinetes com grandes projetos, grandes ideias, tem uma componente criativa muito forte. Nós aqui o nosso caso... somos... estamos do outro lado, ou seja, somos um gabinete muito prático, somos um gabinete muito focados no utilizador, portanto na, digamos que nós trabalhamos é para o conforto e para dar as melhores condições e provocar as melhores sensações ao utilizador. Como nós também temos, e temos a noção de que realmente tudo na vida é preciso que seja sustentável, ou seja, para nós conseguirmos fazer mais projetos é preciso que o nosso projeto contribua para um investimento, que esse investimento vá ter os resultados... satisfatórios, ou além mais que satisfatórios, portanto tem que ser para além da média para nós conseguirmos ter mais clientes, os nossos clientes são chamados Investidores e portanto para terem interesse em investir e podermos fazer melhores espaços e mais espaços com melhores condições para o nosso foco que é o utilizador.

Miguel Real: Claro faz, faz todo o sentido, ou seja, esta arquitetura que nós temos, nós acabamos por ter uma arquitetura virada à rentabilidade, ou seja, normalmente tem-se a noção que a arquitetura é uma coisa cara, mas nós de certa forma mudámos o conceito em que mostrámos aos nossos clientes que a arquitetura não é cara, aliás pelo contrário, ainda nos consegue fazer resultar em rentabilidades nunca antes esperadas, não é, e os resultados realmente falam por si... e são de facto quase três décadas da operação do mercado imobiliário. Arquiteto pode-me dizer como é que tudo começou?

Helder Pereira Coelho: Portanto isto começou porque realmente havia esse objetivo de conseguir... criar as melhores condições para, como eu disse há pouco para o utilizador, portanto para a pessoa que realmente vai usufruir do espaço e... e na altura foi-nos dado um desafio, que foi portanto, no incêndio de 1988, o Incêndio do Chiado, em que foram-nos dados alguns edifícios que estavam completamente degradados, tinham sido atingidos pelo fogo, uns mais que outros e foi-nos dado o grande desafio de poder... como sabem aquilo é um projeto de, digamos - Miguel Real: Claro que sim. - de reabilitação Siza Vieira, portanto o conjunto foi Siza Vieira, depois havia vários gabinetes, várias empresas que trabalharam... portanto, e colaboraram e trabalharam em parceria no projeto e... e ali havia realmente um desafio muito grande que era, tornar aquela zona outra vez, portanto, apetecível para se viver, portanto aquela zona na altura do Chiado, na altura em que houve o incêndio era uma zona que era completamente desertificada em termos de habitação, os... o comércio, portanto também já era praticamente... não digo inexistente, existia mas tinha muito pouco dinamismo porque estávamos na altura dos arranques dos centros comerciais e o de maneira que já ninguém acreditava que voltariam as pessoas a comprar nas lojas de rua, pelo facto do incómodo das pessoas apanharem chuva apanharem trânsito e não terem sítio para onde estacionar o carro, portanto havia ali o grande desafio de podermos de criarmos condições para que as pessoas voltassem a querer morar e ter toda uma vida, digamos que, de serviços, de comércio, portanto ser um, portanto um novo centro apetecível para as pessoas viverem. E de maneira que foi-nos dado as ruínas, digamos, do... dos edifícios que foram, portanto que foram apanhados pelo incêndio e de maneira que depois cada arquiteto teve que desenvolver, portanto conforme os edifícios tinha, teve que desenvolver o seu layout de forma a realmente tornar aquilo apetecível e portanto foi assim que nós começámos.

Miguel Real: Foi assim, foi assim, não, é realmente interessante e é algo que não, sinceramente não posso deixar de falar é assim, eu acredito que isto começando nesta época logo a seguir a 1988 ou seja logo a seguir ao incêndio, por um lado acredito que grande parte da nossa operação teve como base, quase como uma missão e um dever cívico ou seja nós estávamos a reabilitar, a reconverter e a repopular, para todos os efeitos, a zona de Lisboa, zona histórica de Lisboa. O que é que me pode dizer disso Arquiteto? Isto é realmente uma missão que é não só os privilegiados para ter, não é, mas acredito que há grandes dificuldades de realmente ser bem-sucedido nela. Mas de certeza que o arquiteto que me consegue dizer quais é que são as dificuldades, não é, e por outro lado como é que nós conseguimos ter rentabilidades altas, num sítio, cuja renda atualmente é altíssima, não é, e que o mercado valorizou da forma que realmente valorizou, nestes últimos 30 anos.

Helder Pereira Coelho: Eu acho que como disse há pouco, o fundamental aqui é realmente estarmos focados nas pessoas, quem vai utilizar aqueles espaços. Primeiro nós temos que ter a noção, noção e não... para além da noção, temos que ter uma ideia muito exata e muito concreta, de quem será o tipo de... de universo de pessoas que queiram utilizar aquele espaço e também que possam utilizar aquele espaço, portanto, tenham capacidade financeira para o fazer. E... e o importante é isso, é nós conseguirmos primeiro definir bem o universo a quem nos estamos a dirigir e depois quase como... como um ator que temos saber viver naquela pele, tentar imaginar o que é que seria nós vivermos lá, acho que tudo começa por aí. E então a partir daí começa-se a desenvolver toda uma ideia que realmente faça com que as pessoas tenham com... com o resultado final tenham uma vontade muito grande de poder serem elas a utilizar aquele espaço, ou através do arrendamento, ou através da venda. O que vai fazer com que essa grande vontade que as pessoas têm pelo espaço que está, portanto, que está resolvido, estejam dispostas a pagar um pouco mais seja pelo arrendamento ou pela venda. E daí realmente conseguir um retorno muito maior para quem investiu, porque depois nós temos sempre aquela pressão realmente os Investidores apostam em nós e estão à espera que realmente aquilo que se consigam realmente um ótimo resultado que é felizmente, digamos que, pronto os nossos bons resultados tem a ver com isso, tem a ver exatamente com 30 anos a tentar e a aperfeiçoar toda uma técnica que faz com que o resultado seja cada vez, portanto, digamos que o resultado mais apurado, portanto - Miguel Real: Claro que sim - seja cada vez um resultado mais em que as pessoas se sentem felizes, vá digamos, - Miguel Real: Sem dúvida. - a utilizar aquele espaço, felizes e orgulhosos e acho que isso é que, pronto é, isso é que nos dá pronto, nos dá satisfação.

Miguel Real: É o nosso lustro, é o nosso lustro, para todos os efeitos. E realmente temos uma pergunta por acaso também é muito perguntada pelos nossos Investidores e que agora temos oportunidade também de divulgarmos ao nosso, ao nosso Podcast é: quais é que são as vantagens de trabalhar com a TOTE SER, numa ótica de investidor ou cliente investidor?

Helder Pereira Coelho: As vantagens é exatamente por isso, porque somos realmente muito práticos. Nós podemos dizer que realmente a... quase que tudo o que projetamos pomos em prática, portanto, como não temos aqueles grandes projetos artísticos, muitas das vezes têm um carácter mais formal, mas somos mais projetos de funcionalidade, como disse, para as pessoas e eu acho que essa prática é que nos distingue e é que faz, digamos, termos os resultados que temos, ou seja, nós cada projeto, cada projeto que nós fazemos, já estamos a aplicar aprendizagens que temos nos outros e não, e aprendizagens muito, digamos que muito diretas, no sentido de que nós temos uma vertente dos nossos Investidores, que depois optam pela exploração através do arrendamento e nós aí temos constantemente sempre um feedback por parte do utilizador e por parte das pessoas que fazem a gestão e que, pronto, e que realmente são responsáveis pela manutenção. E de maneira como temos sempre o feedback constante da utilização dos espaços, no próximo espaço já temos... temos esse melhoramento e portanto acho que, é essas três décadas sempre focado em realmente proporcionar o melhor ambiente, as melhores sensações, as melhores emoções e... e o orgulho da pessoa sentir que pode utilizar aquele espaço, eu acho que é isso que nos faz a diferença.

Miguel Real: Faz todo o sentido, faz todo o sentido. Algo pelo qual nós nos regemos sempre, não é, e que sempre foi o nosso lema, é o nosso investimento, a nossa política de 360°. Mas o que é que significa investir 360°? Claro que nós fazemos aquilo para o, que fazemos para os clientes tendo em conta os seus requerimentos, não é, os seus requisitos, mas a abordagem que nós temos é sempre uma abordagem muito intima, isto porquê, porque nós fazermos os trabalhos como se fossem para nós e essa ótica é muito importante, até porque até, podemos ser um bocadinho ousados, a nossa visão é uma visão boa, é uma visão que realmente resulta e tendo em conta a experiência que nós temos no mercado é uma visão vencedora. O que é que me pode definir deste investimento em 360°, Arquiteto?

Helder Pereira Coelho: O 360°, isso advém realmente de, digamos que de uma evolução que está a ter neste, está a ter, ou tem vindo a ter ao longo de todos estes anos do imobiliário, que digamos, que é um negócio que cada vez tem que ser mais apurado mais profissional, no sentido para obtermos melhores resultados. E o facto de haver uma entidade que consegue perceber quais são, digamos que, as necessidades de cada atividade interveniente, ou seja, desde a aquisição de um imóvel que a gente levanta a oportunidade de investimento e apresenta ao nosso cliente, desde a aquisição, deste conhecer todo o processo de licenciamento, de conhecer todo o, portanto toda a gestão da obra, tudo o que está envolvido em relação à obra e depois na parte da comercialização, uma entidade como nós que conhecemos realmente todas as atividades que estão inerentes ao processo, faz com que possamos otimizar todo o recurso financeiro e em termos de tempo, para podermos chegar ao fim com os menores custos possíveis, o mais rápido possível e o melhor atendimento possível.

Miguel Real: Claro! Ou seja nós somos basicamente uns advisors de uma paragem, ou seja, nós conseguimos proporcionar todos os serviços que os nossos clientes necessitam, desde o primeiro scouting inicial até, arranjar por exemplo construtores ou promotores e até efetivamente fazer a parte de reconversão e tudo a que chega até ao ponto de rentabilizar ou até mesmo vender e comercializar o ativo, o que me leva até à próxima questão, seja, qual é que é o nosso posicionamento estratégico? Qual é que é o nosso target atual e aquilo que queremos operar?

Helder Pereira Coelho: Pronto, aquilo que nós realmente, nós operamos é essencialmente por, pronto... os nossos clientes são basicamente, são os Investidores, são realmente as pessoas que podem proporcionar que tem capital que possam proporcionar que nós possamos fazer o maior número de espaços possível e... o posicionamento, é pronto a reconversão que já fizemos nós, já fazemos e pronto digamos que é... é o nosso, a nossa expertise porque é uma coisa que o fazemos, no sentido de que... daquele espaço conseguir rentabilizar ao máximo portanto otimizar um espaço em que o metro quadrado é muito caro e conseguimos dar uma utilização... normalmente fracionamos o espaço bastante mas damos sempre uma utilização que vai parecer a... que a pessoa utiliza um espaço com dimensões muito mais amplas e espaços com grandes dimensões não o sendo, e basicamente é para Investidores ou então até mesmo para clientes particulares que queiram pontualmente realmente usufruir dessas características, que temos também alguns... que realmente procuram conforto da sua casa, procuram ter um espaço com menores dimensões mas a parecer um espaço muito maior que é, digamos, que uma da, digamos uma das grandes características dos nossos espaços é isso, em metros quadrados, são poucos metros quadrados, mas... - Miguel Real: Fazemos parecer muitos, não é? - ...parecemos. Há uma sensação, a vivência de espaço parecem que têm muitos, muitos metros quadrados - Miguel Real: É uma amplitude realmente incomparável. - é pela, pela forma de layout, pela posição estratégica dos materiais utilizados e depois há uma coisa que a gente, também a gente, pronto, às vezes as pessoas não querem assumir mas... mas nós trabalhamos muito para isso. Nós trabalhamos muito para o status do utilizador agente vende mesmo status porque achamos que as pessoas têm que sentir orgulhosos têm que sentir felizes por terem conquistado a posição na vida para poderem ter espaços assim, porque realmente são espaços em localizações prime, em que o metro quadrado realmente é muito alto e espaços com uma vivência e com condições que lhes dá uma sensação de bem-estar e...

Miguel Real: É, sem dúvida. Eu acho que é importantíssimo frisar isso até porque as nossas áreas de operação também se estendem, em muitos casos a várias, a outras classes de ativos, não só à parte residencial como também à parte, por exemplo, de logística, a parte de hospitalidade, portanto é o nosso know-how estende-se a grandes áreas, grandes classes de ativos, e acha que o core que se realmente deve reter é que nós conseguimos captar os sentimentos e as sensações que se calhar nem sempre se contabiliza nesse, em outros ativos de grandes, grandes dimensões. Isto porquê? O nosso entendimento de status e de gratidão de ter este tipo de ativos por parte, do ponto de vista do cliente investidor, é de facto uma perspetiva do negócio neste caso também da mentalidade da compra que, em muitas vezes não é contabilizado e de forma errada, nós sabemos o que é que é realmente estar adquirir um andar ou um edifício na zona histórica lisboeta e o que é que realmente é preciso para cativar e encher as medidas, por assim dizer, do cliente investidor em que realmente vai ficar com uma aquisição mesmo tailor-made para ele e que realmente fica super satisfeito. Queria também agora aqui remeter um bocado à parte da arquitetura uma vez que, lá está, é um grande braço nosso e tem sido, já há muito tempo como nós sabemos, eu queria fazer-lhe uma pergunta arquiteto, é como já disse anteriormente a nossa arquitetura é virada à rentabilidade, mas isso é um... é uma perspetiva um bocadinho contraditória, uma vez que, lá está, a arquitetura normalmente tem assim uma ligação a ser mais cara a ser mais ousada mas que nem sempre pode ser uma aposta e financeiramente certa. De que forma é que a arquitetura pode ser uma excelente aposta a nível da rentabilidade de um ativo?

Helder Pereira Coelho: A arquitetura, como disse e muito bem, pronto é conotada como sendo um digamos que, uma digamos que, um requisito caro, garanto que no nosso caso não é, acaba por ser um requisito barato, sai mais barato, pela experiência que realmente nós temos a forma como colocamos os materiais, os modos por termos a experiência dos modos de construção, da forma métodos construtivos que nós aplicamos, em que conseguimos realmente ter uma rentabilidade de obra muito maior e... e depois o importante é que parece que é contraditório, mas não é, mas é quanto melhores condições nós estamos a criar para, para o utilizador mais... mais vontade tem esse utilizador de pagar mais por esse espaço como eu disse há pouco e de maneira que daí a pessoa que investiu ou como investidor que investiu no projeto e toda uma gestão de obra connosco e portanto foi... teve uma otimização de custos vai conseguir gastar menos, pelas nossas propostas de projeto e depois vai conseguir ganhar mais na venda ou no arrendamento. E para quem realmente não seja investidor vai ganhar dinheiro na mesma porque se... se recorrer para a nossa... para a própria casa o que vai acontecer é que pelas nossas sugestões que resultam de todas estas décadas de prática, de realmente de uma atitude muito empírica perante o mercado, faz com que realmente o seu imóvel fique muito mais valorizado e que no momento em que queira realmente trocar de casa, ao vender essa casa vai vender sempre essa casa muito mais cara do que venderia se fosse uma casa que não tivesse projeto e pode realmente ter depois mais capacidade económica para comprar a próxima, ou até para comprar uma outra próxima para reabilitar e recorrer a nós para criar outra vez uma grande mais-valia no... no novo imóvel se não quiser vender, no arrendamento também tem acontecido isso, porque isto o que a gente verifica nos nossos clientes é que, eles não só vendem mais caro do que, fazem o negócio mais rapidamente seja na vertente venda, como seja na vertente do arrendamento. Ou seja, as nossas casas, felizmente, são preferidas a... às outras que existem no mercado e... e deve ser por isso, porque realmente o nosso foco e a nossa preocupação está sempre baseada no utilizador. E se o utilizador estiver muito mais satisfeito, esse utilizador está muito mais disposto a pagar, mais, para realmente poder usufruir de um espaço com maior qualidade.

Miguel Real: É uma relação win-win para todos os efeitos e acho também que um grande fator decisivo da nossa arquitetura, é realmente a maneira como envelhece, tanto em muitos casos até podia ser uma arquitetura muito ousada e que até não envelhecesse da melhor forma ao longo das décadas, mas a realidade é que nós somos neutros, mas ao mesmo tempo bastante conservadores e muito sofisticados ao mesmo tempo, ou seja, aquilo que nós reparamos e que também eu sei exatamente o feedback do arquiteto, é que a performance dos nossos ativos, ela mantêm-se, ou até, valoriza muito ao longo dos anos o que em termos de lógica seria exatamente o contrário, não é, portanto, a nossa arquitetura é muito constante e muito consistente a nível de valorização e isso é realmente um fator decisivo para, para o ponto de vista do cliente investidor.

Helder Pereira Coelho: E eu confirmei isso que o Miguel acabou de dizer é exatamente a experiência que nós estamos a ter neste momento, até neste momento exato do mercado, a procura que nós estamos a ter por estrangeiros, sejam europeus, sejam norte da Europa, seja mesmo americanos, é engraçado que praticamente todos eles, se calhar alguns não se manifestam, mas há um... uma digamos que, um comentário que é comum a todos eles que é dizer «Eu não acredito que este projeto tem 12 anos, é impossível!», - Miguel Real: É, é curioso. - mas sejam americanos, sejam europeus sejam o que for, portanto que, são digamos, que culturas diferentes não é, mas todos e isso vai confirmar isso que o Miguel acabou de dizer.

Miguel Real: E estamos a falar de pessoas que estão a comentar, em que a arquitetura da sua hometown é totalmente diferente, ou seja, estamos a falar de panoramas completamente diferentes e a opinião é unânime, ou seja, isto realmente fundamenta ainda mais as qualidades e por nós não é dito, pelas nossas testemunhas é conferido, não é. Eu tinha assim, agora uma pergunta para fazer ao Arquiteto, como é que poderia descrever a TOTE SER em 3 palavras?

Helder Pereira Coelho: Hum... otimização... bem-estar... e rentabilização.

Miguel Real: Ok, (risos) é... essa realmente é muito curioso e não podia ter dito melhor e realmente é mesmo de fechar aqui fazer, deixar cair - Helder Pereira Coelho: (risos) - o microfone não é (risos), mas pronto e por hoje está tudo, creio eu, isto é apenas um podcast introdutório, este é o nosso primeiro episódio, vamos ter convidados daqui para a frente, sendo que também vão ser falados outro tipo de assuntos, mas é um prazer ter-vos cá, poderem assistir, espero que tenham gostado foi um prazer o meu nome é Miguel Real, mais uma vez, prazer foi ter o arquiteto Helder Pereira Coelho connosco.

Helder Pereira Coelho: Eu é que agradeço, a sugestão e a ideia, realmente criar tudo isto que eu não estava à espera e muito obrigado pela oportunidade que deu a toda a nossa equipa, realmente, mas é isso temos que juntos com as nossas ideias conseguir ir mais longe.

Miguel Real: É isso mesmo, é isso é que é a TOTE SER.


Contacte-nos

Para saber mais pormenores, fale connosco, a nossa equipa especializada responderá ao seu contacto com a maior brevidade possível.


   Li e aceito as políticas de privacidade, aqui mencionadas. *
* Campos de preenchimento obrigatório.