O Novo Paradigma do Residencial


Parece que cada dia que passa a valorização dos imóveis tende a crescer. As pessoas que pretendem comprar a sua primeira casa partilharam connosco a sua experiência, o que nos levou a refletir sobre o atual rumo do mercado e como será no futuro.

Hoje em dia, num mundo em estado pandémico, percebemos que as nossas casas precisam de ser muito mais do que um simples lugar onde dormimos e passamos pouco tempo do nosso dia. Com as empresas a fomentar a prática do teletrabalho, a cultura social do trabalho hoje é uma nova realidade. O resultado? A nossa secretária é agora a nossa mesa de jantar, o sofá é o nosso lounge e a nossa cozinha é uma sala de reuniões.

No entanto, a valorização das propriedades não parou de subir, embora os preços de arrendamento tenham baixado no momento atual tendo em conta a situação do Alojamento Local. Ao operarmos no mercado imobiliário há 3 décadas, sempre tivemos uma paixão por prever tendências futuras, e agora é o melhor momento para fazê-lo - objetivamente. Antes do coronavírus, a mentalidade mais comum da aquisição de uma casa em Portugal (assim como em muitos outros países) girava frequentemente em torno da extensão do “triângulo dourado”. Este triângulo é composto por 3 dos elementos mais importantes para o comprador: localização da casa, local de trabalho e escola dos filhos. Isto pode parecer um pouco surreal à primeira vista, mas quando resumimos os fatores-chave que desempenham um papel fulcral em onde desejamos viver, iremos deparar-nos a calcular a distância entre essas deslocações – isto porque, inevitavelmente, teremos que fazê-los. O cenário ideal é, portanto, encontrar um lugar onde todos estejam próximos e ainda atendam às mais variadas características que valorizamos e para nos sentirmos realizados.

Mulher a trabalhar em casa

Foto por LinkedIn Sales Solutions em Unsplash

Esta é uma das razões pelas quais a localização sempre foi tão cara e, mais ainda, porque nunca ficará mais barata. Ao perceber esta realidade, as pessoas depararam-se com duas alternativas distintas: optar por morar um pouco mais longe dos grandes centros das cidades ou, por outro lado, gastar mais dinheiro por uma localização que está basicamente perto de tudo. Agora, ao ter em conta o cenário atual em que o conceito de local de trabalho mudou drasticamente, essa variável está sujeita a uma reflexão mais profunda ao adquirirmos uma casa. Precisamos mesmo de estar a 15 minutos do trabalho quando frequentamos o escritório no máximo 2/3 dias por semana? Muitas pessoas questionaram-se sobre isso nos últimos 6 meses. O resultado? As pessoas estão a abordar o mercado imobiliário com uma perspetiva muito mais objetiva e prática.

É obviamente difícil generalizar a mentalidade do comprador de uma casa em Portugal, mas na nossa experiência, os portugueses tendem a valorizar muito a micro-localização e o status. Por exemplo, é difícil superar certos estereótipos associados a uma determinada cidade, mesmo que possam não representar a realidade. Há 20 anos, Lisboa era vista como o local mais primoroso para se viver - porque era a capital e, por isso, concedia-lhe um enorme estatuto e sentimento de concretização. Hoje em dia, as pessoas tendem a valorizar cada vez mais as periferias, pelo simples facto de reunirem qualidades que o CBD simplesmente não pode oferecer. Na realidade, não existe “melhor lugar” para viver. Onde nos sentimos realmente bem, em determinada fase da nossa vida, é o que mais importa.

Família em convívio na sala de estar

Foto por Jimmy Dean em Unsplash

Este perfil cultural também se alterou com a pandemia. Os portugueses estão a aperceber-se do potencial de outras cidades espetaculares para se viver fora de Lisboa e do Porto. As pessoas estão a olhar para as propriedades de uma forma muito mais direta. Na semana passada, um dos nossos clientes de longa data conversou connosco sobre os seus planos de viver em Vila Franca de Xira, uma cidade perto de Lisboa: - “Há quase duas semanas que estou a pensar investir em Vila Franca de Xira. Só recentemente é que comecei a perceber o quão bom aquele lugar realmente é. Estamos a falar de uma cidade consolidada que ainda não está saturada, muito terreno para construir, uma vista privilegiada à beira-rio, preços de m2 muito acessíveis e acima de tudo está a 20 minutos de Lisboa. Tem até comboio caso queiramos deslocar-nos mais rápido!”

Quando a mentalidade muda, o mercado muda. Daryl Fairweather, Diretor Económico da corretora de imóveis mundialmente conhecida Redfin, mantém-se firme nas suas previsões: «Quando a pandemia acabar, muitas pessoas continuarão a trabalhar em casa pelo menos em part-time, mas começarão a almoçar e a fazer pausas para café fora de casa. Isso significa que os tipos de negócios que atendem aos colaboradores serão transferidos para áreas suburbanas, onde mais clientes estarão durante o dia. Por exemplo, a Starbucks está a fechar lojas em áreas urbanas enquanto abre novas lojas nos subúrbios, e as pequenas empresas nas cidades estão se a recuperar a um ritmo mais lento do que as pequenas empresas nos subúrbios. Com o tempo, as comunidades suburbanas começarão a parecer mais “cidades” com novos restaurantes, cafés e locais de happy hour a abrirem. As casas nos subúrbios podem se tornar ainda mais desejáveis, graças ao aumento das comodidades. O valor de uma casa está intimamente ligado às amenidades que estão próximas, e no futuro, mais subúrbios podem ter de tudo - escolas, parques, restaurantes, cafeterias e bares».

Acreditamos que agora é um momento crucial para prestar atenção especial a lugares que foram indiscutivelmente negligenciados, como subúrbios próximos. Em última análise, a sua popularidade irá crescer, e conforme as prioridades dos compradores de casas estarem a mudar, é necessário pensar mais sobre o que realmente valorizamos numa propriedade.