Arquitetura Significa Rentabilidade


Seguindo o nosso primeiro podcast, publicado no passado dia 19, recebemos várias questões dos nossos seguidores sobre a nossa abordagem relativa à arquitetura. Na verdade, o arquiteto Helder Pereira Coelho sublinhou a arquitetura TOTE SER como sendo uma das estratégias principais para a rentabilização dos nossos projetos.

Esta abordagem foi recebida com mixed feelings, e a razão está no estereótipo associado à arquitetura personalizada: é um serviço caro que se destina ao cliente que pretende ter algo verdadeiramente único, e que não tem problemas em pagar por isso. É exatamente este preconceito que a TOTE SER tem vindo a mudar há quase 30 anos.

É inegável que uma das componentes principais da arquitetura é, de facto, a criação de um projeto verdadeiramente único que visa conjugar os requisitos do cliente ao lado artístico e técnico do arquiteto. No entanto, seria um grande erro pensar que é apenas isto.

A rentabilidade/valorização da arquitetura está no expertise da otimização do espaço e integração do design. É possível argumentar que é fácil projetar espaços esteticamente apelativos, mas um dos fatores importantes no sucesso financeiro de alguns projetos é precisamente a consistência e durabilidade dessa construção. Isto é, alcançar um projeto que envelheça bem, à medida que os anos passam, e nesta matéria a TOTE SER tem provas dadas de obras com mais de 20 anos, em que os utilizadores não acreditam que o projeto tem todo esse tempo, porque o mesmo se encontra completamente atual, são sobretudo os clientes estrangeiros que têm esta reação. Explicámos no nosso podcast como a arquitetura TOTE SER não só evoluiu bem, como ainda alcançou retornos financeiros nunca antes espectáveis ao fim de 2 décadas. A razão está na arquitetura neutro-conservadora que ao mesmo tempo é de grande funcionalidade e sofisticação. Do ponto de vista da rentabilidade/valorização, um espaço que conste de infraestruturas magníficas desde o dia 1 até 2 décadas após a sua inauguração é uma garantia de retorno elevado e consistente.

Imagem 3D de escritório

3D por 4+Arquitectos para TOTE SER

Uma excelente relação
baixo-custo => alta valorização

O baixo-custo resulta dos 30 anos de experiência focados no máximo bem-estar do utilizador e na máxima valorização do imóvel. Parece um paradoxo mas a realidade é exatamente essa, quanto mais satisfazemos os utilizadores com os nossos espaços, através do conforto e do impacto estético de tal maneira sedutor, mais os nossos investidores conseguem arrendar e vender por mais caro e em menos tempo, devido ao impacto de status que o nosso projeto transmite depois de concretizado. Neste sentido podemos enumerar várias técnicas de otimização na construção que propomos, que tanto baixo o custo como o prazo de conclusão da obra.

Para a alta valorização, a larga experiência fez com que chegássemos a um apuramento de projeto que vai desde o seu layout ao tipo de materiais e ao modo estratégico como estes são aplicados. Tudo isto no seu conjunto, dá-nos sempre em todos os espaços uma sensação de amplitude e de um espaço enorme, independentemente do maior ou menor número de metros quadrados que estejamos a trabalhar e isto advém do hábito de trabalharmos zonas em que o metro quadrado é muito caro e o investimento tem de ser altamente rentável.

Arquitetura sustentável

Foto por Victor Garcia em Unsplash

Por outro lado, a arquitetura aliada à sustentabilidade é cada vez mais valorizada no mercado imobiliário. Atualmente, vemos os grandes fundos de investimento e family offices a apostarem em certificados BREEAM, fundamentando assim os seus projetos com um carimbo de sustentabilidade e eficiência comprovados – que irão consequentemente valorizar a propriedade. A arquitetura sustentável é a chave para um futuro ambientalmente positivo. A filosofia por trás da arquitetura sustentável diz respeito à redução do desperdício. Isto não significa apenas desperdício físico, mas também à minimização da perda de energia. Ao manter a energia que consumimos dentro dos nossos edifícios pelo maior tempo possível, precisamos de menos fornecimento em primeiro lugar. Usar menos energia para nos manter confortáveis significa que podemo-nos tornar ambientalmente responsáveis e mais eficientes em termos de recursos, que são vitais para reduzir os efeitos das mudanças climáticas.